Publicado Online: 22 de abril de 2020

Análise preliminar comparativa quanto à quantidade e o armazenamento temporário dos resíduos de pescado em três feiras livres em Marabá, Pará

Antônio Pereira Júnior, Mikaele Machado Oliveira, Stephani Gomes Feitosa

RESUMO As feiras livres ocorrem em todos os lugares e são pontos de vendas de produtos agrícolas, aquicultura, bovinocultura, suinocultura, dentre outros. O objetivo dessa pesquisa foi analisar e comparar o tipo de armazenamento temporário dos resíduos gerados em três feiras livres do município de Marabá - Pará, Brasil. O método utilizado foi o indutivo, com abrangência quantitativa e qualitativa, com natureza aplicada. Os dados primários foram obtidos com quatro visitas realizadas às feiras, especialmente para pesagem dos resíduos de pescados. Os dados secundários foram obtidos de textos acadêmicos encontrados nas plataformas online SciELO, CAPES e IES. O período literário situou-se entre 2010 e 2020. A análise indicou que a quantidade comercializada foi mais elevada na Folha 28 (n = 300 kg; 34,88%), seguido de Z-30 (n = 290 kg; 33,72%) e Feira Coberta (n = 270 kg; 31,39%). A maior quantidade de produção de resíduos ocorreu na Folha 28 (n = 223,82 kg; 58,9%), seguido da Feira Coberta (n = 151,47 kg; 54,8%) e da Z-30 (n = 133,11 kg; 45,6%). Em relação ao armazenamento, nas três feiras livres analisadas foram utilizados baldes plásticos; duas delas (Folha 28, Z-30) utilizam bombonas de 20 L e lixeiras domésticas cujo forro era um saco plástico. Já para o forro interno dos baldes e bombonas, os comerciantes utilizam sacos plásticos pretos de 100 L. Com isso, os impactos ambientais ocorrem nas três feiras livres devido a não obediência à Resolução CONAMA 275/01.

PALAVRAS-CHAVE: coletores seletivos, impactos ambientais, lixo

        https://doi.org/10.29327/multiscience.2020002 (registrando DOI)

1200px-DOI_logo.svg.png

MALQUE Publishing

©2018-2020 by MALQUE Publishing