Publicado Online: 24 de agosto de 2019

CrossMark_faixa.png

Impactos da ausência de monitoramento da qualidade do ar nas grandes cidades do Brasil

Laura Luiza Rosa de Souza, Isabelle Brasil Félix, Raissa Jennifer da Silva de Sá, Antonio Gabriel Sales de Souza, Giselle Cristine Melo Aires

RESUMO Os poluentes atmosféricos provenientes de ações antrópicas são emitidos por diversas fontes, por exemplo, a agricultura, atividades industriais e os meios de transporte. Ademais, alguns agentes poluidores são lançados acidentalmente, porém um elevado número é emitido através de práticas industriais ou outras atividades, os quais podem ocasionar efeitos divergentes à saúde humana e ao meio ambiente. Logo, com esse estudo busca-se compilar informações que auxiliem na elaboração de medidas que busquem reduzir/minimizar possíveis riscos à saúde da população e ao meio ambiente associados à poluição atmosférica. Assim como, demonstrar os impactos a saúde da população, os efeitos gerados ao meio ambiente e o benefício da preservação de áreas verdes para a manutenção da qualidade do ar. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 1,3 milhões de mortes anuais mundialmente estejam atreladas a exposição à poluição do ar. Pesquisas realizadas em crianças do meio urbano de São Paulo, apontam que os níveis de NO2 presentes no ar atmosférico causam sintomas típicos relacionados a problemas respiratórios. O impacto ambiental pode ser classificado como positivo ou negativo, ademais, para mais precisão, a resolução CONAMA n. 001/86, define como qualquer mudança biológica, química e física no meio ambiente, causada direta ou indiretamente pelas ações antrópicas. O desmatamento de áreas verdes para construção urbana, deixa o ambiente atmosférico suscetível a gases poluentes, principalmente CO2, que é liberado pelos automóveis presentes no dia a dia urbano; além da produção direta pela ação antrópica desse gás, por meio de queimadas destrutivas ou de lazer. Este artigo evidencia a importância do monitoramento da qualidade do ar, por especialistas ambientais e de saúde; pois, é uma forma de avaliar a poluição em atmosferas urbanas.

PALAVRAS-CHAVE: áreas verdes; impactos ambientais; meio ambiente

         https://doi.org/10.29327/multi.2019017

1200px-DOI_logo.svg.png

MALQUE Publishing

©2018-2020 by MALQUE Publishing