Publicado Online: 01 de novembro de 2018

CrossMark_faixa.png

Efeito do treinamento muscular respiratório em pacientes pós-AVE: uma revisão bibliográfica

Sara Sabrina Vieira Cirilo, Renata de Sousa Rocha, Daniela de Castro Melo, Gabriela Sávia Sousa Reis, Monaliza Natália Lucas

 

RESUMO O acidente vascular encefálico (AVE) pode ser conceituado como a interrupção do suprimento sanguíneo cerebral, em função de um extravasamento ou uma obstrução do vaso sanguíneo. É uma das mais comuns Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs), constituindo a terceira causa de óbito em vários países do mundo e a principal causa de incapacitação permanente por ser a condição vascular que mais acomete o Sistema Nervoso Central (SNC). Cerca de 40% dos pacientes com AVE tem uma redução do deslocamento do diafragma e uma diminuição da função do pulmão para 50% dos valores esperados para a idade. O treinamento muscular respiratório é uma abordagem que tem o potencial de aumentar a força muscular e reduzir complicações respiratórias após o AVE. Desta forma esse estudo tem como objetivo realizar um levantamento bibliográfico a respeito das alterações respiratórias e o efeito do Treinamento Muscular Inspiratório em pacientes pós-AVE. Trata-se de um estudo de revisão de literatura, no qual foram utilizados artigos científicos publicados no Scielo, Bireme, Biblioteca Virtual da Saúde e LILACS em todos os índices pesquisados, utilizando como palavras chaves: Treinamento Muscular Inspiratório, Acidente Vascular Encefálico e alterações respiratórias. Após a análise foram selecionados artigos que relacionassem os três aspectos e apresentassem resultados do TMI em pacientes pós-AVE. Os estudos vem revelando os efeitos terapêuticos do TMI nas diversas populações apresentando-se como uma abordagem ao aumento na força e na endurance dos músculos inspiratórios, aumento na expansibilidade torácica, adequação no padrão respiratório, redução na percepção da dispneia, atraso no declínio da função respiratória, aumento da tolerância ao exercício e da capacidade aeróbia além de melhora na qualidade de vida em indivíduos pós-AVE.

 

PALAVRAS-CHAVE: acidente vascular encefálico; alterações respiratórias; treinamento muscular respiratório

         https://doi.org/10.29327/multi.2018018

1200px-DOI_logo.svg.png

MALQUE Publishing

©2018-2020 by MALQUE Publishing