MALQUE Publishing

©2018-2019 by MALQUE Publishing

Publicado Online: 23 de abril de 2018

CrossMark_faixa.png

Uma perspectiva comportamental da termorregulação de emas (Rhea americana)

Geovan Figueirêdo de Sá-Filho, Mônica Rafaele Dantas, Mateus Medeiros dos Santos, Samuel Pereira de Lima, Maiko Roberto Tavares Dantas,

Leonardo Lelis de Macedo Costa

RESUMO Originária da América do Sul, a ema (Rhea americana) é a maior ave desse continente. No Brasil são naturais das regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, com exceção das faixas litorâneas. Aves, em geral, possuem a capacidade de manter a temperatura corporal constante, perdendo para o ambiente o calor adicional que é produzido. Nessa tentativa, de manter a homeotermia, os animais utilizam mecanismos não-evaporativos e evaporativos para trocar calor com seu ambiente. Mudanças comportamentais também são corriqueiras como estratégias para auxiliar a perda de calor para o ambiente. Alterações do comportamento são as principais respostas adaptativas dos animais a diversos estímulos ambientais e estudos abordando o comportamento termorregulatório das espécies são essenciais ao aperfeiçoamento do manejo e sistemas de produção. As trocas térmicas ocorrem provavelmente através de um conjunto de comportamentos que combinados auxiliaram na manutenção da homeotermia das aves. Pesquisas em relação à termorregulação e o comportamento de emas (Rhea americana) ainda são escassas. Neste contexto, este artigo traz uma abordagem inicial sobre a termorregulação, em uma perspectiva comportamental, de emas (Rhea americana) em regiões de clima quente.

 

PALAVRAS-CHAVE: comportamento termorregulatório; homeotermia; trocas térmicas

        https://doi.org/10.29327/multi.2018001

1200px-DOI_logo.svg.png